Amazônia Povos Indígenas

Lideranças do Vale do Javari responsabilizam Governos Estadual e Federal por tragédia e temem novas ameaças

Em meio a emoções, indignações e lágrimas, lideranças indígenas do Vale do Javari clamam por socorro, por mais segurança na região e denunciam perseguição e sucateamento na Funai (Fundação Nacional do Índio), além de novas ameaças de mortes a servidores e indigenistas e do desmonte da política indígena pelo Governo Bolsonaro. Além disso, afirmam que as mortes de Bruno Pereira e de Dom Phillips foram tragédias anunciadas e denunciadas anteriormente. Um pedido de exoneração do atual presidente da Funai foi assinado pelas Comissões Externas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal e aprovado durante a reunião desta quinta-feira (30).

As denúncias aconteceram durante a Audiência Pública da diligência das Comissões Externas do Congresso, que acompanham a situação do Vale do Javari, realizada na sede da Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari), em Atalaia do Norte (AM).

            O objetivo da Audiência, de acordo com o deputado federal Zé Ricardo (PT/AM), coordenador da Comissão Externa da Câmara, foi ouvir os povos indígenas a respeito das mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, mas também sobre as constantes ameaças que os indígenas vêm recebendo nessa localidade. Ele afirmou que “não é somente o Governo Federal o responsável pela falta de segurança em Atalaia do Norte, mas também o Governo do Amazonas deve ser responsabilizado”. E lembrou que a Comissão da Câmara aprovou na semana passada requerimento cobrando segurança para as lideranças indígenas de Atalaia. “Ouvimos muitos relatos, muitas denúncias. Houve muita omissão do poder público. E tudo o que apuramos aqui constará no relatório da Comissão”.

Manoel Churimpa, presidente interino da Univaja, relatou que a tragédia ocorrida com Bruno e Dom foi uma tragédia anunciada, mas que não foi levada em consideração pelo poder público. “Não há ninguém aqui do Vale do Javari que não soubesse dessas ameaças. Infelizmente, Bruno teve que morrer para que fôssemos ouvidos. Não podemos viver com medo o tempo todo. E é assim que estamos vivendo. Estou indignado e repudio a falta de atenção do poder público”, declarou ele, chamando atenção para o fato de que a Funai e o MPE (Ministério Público do Estado) já sabiam dessa situação e que todos estão vivendo com medo.

Uma liderança indígena denunciou também sobre a exploração de madeira ilegal no Vale do Javari, como também o narcotráfico e a pesca ilegal, que vêm resultado em violência e constantes ameaças. E ainda disse que falta dignidade para o povo indígena, diante dos atuais desafios enfrentados, tendo que conviver com muitos medos.

Na ocasião, lideranças dos povos Matis entregaram uma carta às Comissões, com uma série de reivindicações, dentre elas: mais condições para o fortalecimento do trabalho da Univaja, uma vez que está fazendo o papel do Governo; realização de concursos públicos para Funai, para que tenha mais servidores; instauração de uma CPI para investigar o tráfico de influência na Funai; serviços de educação e de saúde exclusivos para os indígenas; como ainda a presença da Polícia Federal, da Força Nacional, do Ibama e do Exército na frente de proteção etnoambiental no Vale do Javari.

            Para Silvana Marubo, é importante que se tenha também segurança para todos os povos tradicionais, como a população ribeirinha e da floresta. E destacou que a Funai ficou sucateada, a partir da instalação do Governo Bolsonaro. “Esse presidente é o culpado por toda essa insegurança que temos hoje. O presidente, simplesmente, não se importa com os povos indígenas. Estamos sempre sofrendo ataques. As mulheres do Vale do Javari pedem socorro. É preciso ter a representação dos órgãos fiscalizadores”.

Os parlamentares que estão em diligência ao Vale do Javari: deputados federais Zé Ricardo (presidente), Joenia Wapichana (vice-presidente), Vivi Reis (relatora), Erika Kokay, João Daniel e Rodrigo Agostinho. Já dentre os senadores: Randolfe Rodrigues (presidente), Fabiano Contarato (vice-presidente), Leila Barros e Eduardo Velloso.

Ainda haverá reunião na sede de Tabatinga, onde será ouvida a Força Tarefa responsável pelas investigações dos assassinatos de Bruno Pereira e de Dom Phillips (Polícia Federal, Polícias Civil e Militar, Defesa Civil, Exército e Marinha, além da Funai e do Ibama). E, na manhã desta sexta (1), em Atalaia do Norte, juntamente com Zé Ricardo e a deputada Vivi Reis, relatora da Comissão Externa da Câmara, novas oitivas acontecerão, para ouvir funcionários da Funai e outras lideranças indígenas, de forma mais reservada, assim como a Prefeitura e os vereadores da cidade de Atalaia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.